• Repare Quilombo

Entrevista: “Sinto muitas saudades dos palcos”, diz cantora Neide Vital, que também vai fazer live

“Eu, particularmente, gosto muito do contato direto com o público; o calor e a energia são insubstituíveis”, afirma Neide Vital.


Por Nathan Rocha


Neide Vital, 53 anos, cantora/Imagem: Arquivo Pessoal

Há 35 anos na estrada e nos palcos, Ivaneide Vital Dias Santana, a Pérola Negra da Música, ou simplesmente, Neide Vital, começou a carreira como cantora em Festivais Estudantis na cidade de Morro do Chapéu, onde mora.


Atualmente, com 53 anos de idade, Neide Vital, que tem uma voz incrível, é uma das cantoras mais reconhecidas em todo o território da Chapada Diamantina por sua expressividade artística marcante. Em entrevista exclusiva ao Repare Quilombo, ela conta que os festejos juninos, que não acontecem este ano, por causa da pandemia do novo coronavírus, “vai sim fazer muita falta”, mas tem fé que, em 2021, tudo será comemorado “de forma mais consciente”, afirma.


A conversa com a Pérola Negra da Música morrense aconteceu via aplicativo de mensagem, no final do mês passado. Nesta entrevista, dentre outras coisas, ela revela qual a música que não pode faltar no “Forró da Neide Vital”, e diz também qual foi a sua reação ao saber que o São João 2020 seria cancelado.


Confira abaixo a entrevista.



Neide Vital é uma das cantoras mais reconhecidas em todo o território da Chapada Diamantina/Imagem: Arquivo Pessoal

Por que “Pérola Negra da Música”?


Esse nome me foi dado por um amigo chamado Valter Santos da cidade de Piritiba - BA, e pela valiosidade da pérola se igualou ao meu talento. Foi assim que surgiu a “Pérola Negra da Música”.


Você é uma das cantoras mais completas e conhecidas na Chapada Diamantina. Sempre existiu o sonho em ser cantora reconhecida?


Sim. Sempre sonhei com o reconhecimento do meu talento, a paixão pela musicalidade e o desejo através da minha arte poder representar a minha negritude.


Você se inspirou ou se inspira em alguma cantora?


Existem alguns artistas que eu me inspiro: Margareth Menezes, Alcione, Rita Ribeiro, Matheus Aleluia, etc. Pego um pouco de cada um e me inspiro.



A Pérola Negra da Música morrense/Imagem: Arquivo Pessoal

Imagino que ser artista e viver da sua arte é motivo de muito orgulho para você. Morro do Chapéu é um município que incentiva os artistas locais a sentirem orgulho de seus trabalhos?


Sou apaixonada por Morro do Chapéu. Foi à cidade que escolhi para morar; o público valoriza muito, porém, não temos apoio dos líderes políticos.


Você criou o seu canal no youtube em 2011. De lá para cá, muita coisa mudou. Com essa pandemia do novo coronavírus, por exemplo, a plataforma de compartilhamento de vídeos se tornou mais que essencial para a divulgação do trabalho dos cantores, haja vista a febre das lives. Nesse sentido, você acredita que shows através do youtube podem substituir os shows presenciais em palcos no pós-pandemia?


Eu, particularmente, gosto muito do contato direto com o público; o calor e a energia são insubstituíveis. Porém, acredito muito que esse novo veículo [youtube] seja mais uma oportunidade para levar nosso conteúdo para vários cantos do Brasil e do mundo.


Quando você percebeu de fato que os tradicionais festejos juninos não aconteceriam em 2020, devido à pandemia, qual foi a sua reação?


Pânico! Já estava com algumas cidades agendadas, quando veio à questão da pandemia, infelizmente, foi como um banho de água fria.


Está preparando alguma live especial de São João?


Sim! Estou na batalha para arrecadação de fundos para realização da minha primeira live. Por sinal, alcancei mais de mil inscritos em meu canal do youtube, e pretendo realizar a live nele.


Qual música que não pode faltar no forró da Neide Vital?


Não pode faltar "A vida do Viajante” de Luiz Gonzaga.


“Se sentindo nostálgica”, você publicou recentemente no seu perfil pessoal do facebook um vídeo no qual você canta a música Que Nem Jiló do saudoso Luiz Gonzaga. Qual é a sua saudade? Aliás, o remédio da sua saudade é cantar?


Sinto muitas saudades dos palcos, o meu remédio é sim cantar... A música é o meu ÚNICO meio de sobrevivência, nela encontro meu ganha pão, meu lazer e a minha força para seguir em frente.



"O são João vai sim fazer muita falta", diz Neide Vital/Imagem: Arquivo Pessoal

Por falar em saudade, há quem diga que o São João de 2020 não vai deixar saudade. Você também pensa assim ou acha que nada acontece por acaso, e que a gente vai aprender de alguma forma com essa crise sanitária mundial?


Eu creio que essa pandemia veio para ajustar as coisas; para nos tornar mais humanos e igualitários. O são João vai sim fazer muita falta, mas tenho fé que, em 2021, poderemos comemorar essa data, ainda mais conscientes. Eu desejo de coração, que todos nós tenhamos sabedoria e discernimento para tirar dessa situação um exemplo que somos todos iguais, e que merecemos viver dignamente, independente de classe social.


* Nathan Rocha é repórter do Repare Quilombo.

68 visualizações0 comentário